Por que tendemos a julgar ou criticar os outros? Cuidado!

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Já reparou como estamos o tempo criticando algo? Pode ser uma bobagem, mas temos opinião para tudo! Ok, isso é normal, mas por que fazemos isso? E os julgamentos? Somos o tempo todo julgados por nossas escolhas. Respeitar as escolhas alheias envolve uma maturidade que nem todas as pessoas têm. Quando julgamos uma pessoa, esquecemos o quanto é ruim ser julgado antes que saibam como realmente somos. Infelizmente muitas pessoas julgam e criticam assim… sem saber do que estão falando.

Não deixe que uma crítica desabe seu valor próprio. Valorize-se!

No vídeo abaixo falarei um pouco mais sobre esse assunto.

4 thoughts on “Por que tendemos a julgar ou criticar os outros? Cuidado!”

  1. Leonardo

    O problema do julgamento é que agente sempre quer o melhor para nós mesmos.
    Queremos ser bem tratados, ser elogiado, atrair sexualmente do sexo oposto, ser convidados para festas e infelizmente a única forma de fazer isso é sendo bonito ou bonita.
    Parece que sendo feio, feia ou fara dos padrões (como a moça com lentes de contato), pelo menos é assim comigo, as pessoas colocam um alvo em você para servir de saco de pancada nos grupinhos de amigas e isso é o tipo de coisa difícil de ignorar porque é muito pessoal, é da forma que você nasceu que elas estão falando.
    É natural nos querermos ser bonitos, pois assim como qualquer pessoas querems ser bem tratados, queremos amigos, querenmos namoradas.
    Mas parece por ser feio as pessoas sempre querem te ferir de alguma forma e muitas vezes a sua feiura serve de saco de pancada para mulheres bonitas se divertissem a suas custas nas rodas de amigas não importando como essas coisas ferem você.
    Embora muita gente fale que temos que ignorar essas coisas, não é um processo tão simples, principlamente se você sofre esse tipo de julgamento quase que constantemente como no meu caso.

    1. Mariza MatheusMariza Matheus Post Author

      Oi Leonardo! Muito obrigada pelo elogio. Sim, como vc disse no outro comentário, é mais fácil falar do que na prática. Mas eu acredito que cada um de nós devemos fazer a nossa parte e a minha é orientar, pois entendo o que vc enfrenta e escuto muito isso dos meus pacientes. Vejo o quanto é difícil ser julgado pela aparência.

      Mas sabe, vou te contar uma experiência que tive há muitos anos quando eu morava fora do país. Eu estava fazendo aula de química (obrigatório no currículo) e a professora me deixava sentada numa cadeira ao lado da porta. Todos os alunos sentavam em dupla e com uma mesa. Eu ficava sem mesa e sentada ao lado da porta. Achava estranho, mas achava que, por ter iniciado atrasada nas aulas, era o único lugar que restava. Quando fui fazer um trabalho eu pedi ajuda ao meu tio (que era químico tb). Ao receber a correção de trabalho a professora escreveu na capa que “eu nunca levaria mais de zero naquele trabalho”. Nesse momento percebi que ela estava com “birra” de mim e fui reclamar com ela sobre a nota. Não era justo. Ela me falou secamente que não era justo eu, latina, estar estudando. Aquilo caiu como uma bomba em mim e vi, em seus olhos, o preconceito e raiva que ela tinha dos latinos. Aquela experiência me marcou muito e abomino QUALQUER tipo de preconceito, qualquer tipo! Tive a sorte de pedir ajuda a uma diretora de colégio que me pediu mil desculpas por eu ter passado por aquela situação e me mudou de professor. Não soube mais nada daquela mulher e nem quis saber, confesso.

      Se eu puder fazer um alerta para as pessoas pararem de julgar eu farei sempre. Obrigada por participar Leonardo!

      1. Leonardo

        Eu realmente sinto muito que tenha passado por isso, sério mesmo, então você sabe como é essa coisa, que horrível, nem sei o que dizer.
        O mais estranho é que você não é negra ou até mesma com aquela cor mesclada, você é branca e ainda assim sofreu isso, o que quer dizer que o que importa para eles a cor especificamente e sim o lugar de onde se vem, novamente deve ter sido difícil e eu sinto muto mesmo.
        Obrigado por ter contado, eu vejo que entende o que estou passando.
        E não pare de fazer videos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>