O ciclo da vida (relacionamentos)

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

AmorTodo mundo sabe que ao se relacionar com alguém é preciso paciência e tempo para “ajustar” as personalidades e diferenças. No início tudo parece perfeito, lindo do tipo amor eterno. Mas, com o tempo, percebemos que também não somos perfeitos. Como assim? Nós não somos perfeitos? Também não somos 100% da idealização do outro e nem por isso deixamos de ser interessantes. Por que a perfeição do tipo “comercial de margarina ou fotos do Facebook” tem que ser o objetivo principal da relação? Relacionar-se é estar com o outro, aprender e crescer.

A paixão pode ser passageira e seguir rumos diferentes. Por que não? O relacionamento pode esfriar e cada um seguir seu caminho. Mas, por outro lado, pode seguir na construção de um amor que se fortalecerá a cada obstáculo enfrentado de mãos dadas. Não tempos certeza e nem garantias, mas mesmo assim vale o risco. Desde a infância criamos idealizações de príncipes e princesas que, nas vida adulta, acabam gerando grandes frustrações. Pensar que um relacionamento será sempre um mar de rosas é uma utopia. Faz parte ter momentos de crises, veja bem, momentos e não todo relacionamento em crise! A crise pode fortalecer a união quando superada. Se houver respeito e entrega, não tem outro caminho além do amor.

Relacionar-se exige tempo e aprendizado. A dedicação e comprometimento tem que ser de ambas as partes, pois não adianta apenas um lutar por algo que o outro está “mais ou menos, quem sabe”. É uma construção diária, com sentimentos de certezas no começo e confusos ao longo do tempo. Há momentos que o relacionamento parece estagnado, mas outros que cresce com força total. Não me refiro aqui a relacionamentos destrutivos e sim aos relacionamentos que, como muitos, passam por altos e baixos. O príncipe sim pode virar sapo, mas mesmo assim você irá amá-lo. O sapo pode sim virar o príncipe e você não conseguir enxergá-lo. Não temos bola de cristal! Somos sentimentos que se cruzam com os sentimentos do outro. Se relacionamento fosse fácil não teria  milhares de livros a respeito. Por outro lado se fosse impossível, ninguém mais embarcaria em nenhum. Relacionar com alguém especial faz muito bem para o coração, para a alma!

Esses dias atendi uma adolescente que me perguntou como alguém consegue ficar casado se depois de um tempo  não tem mais assunto na relação. É lógico que ela fez uma projeção do relacionamento atual dela para os do futuro em sua vida. Não é assim, pois escolhemos aquele alguém que será nosso amigo acima de tudo, mesmo que passe momentos em diálogos silenciosos. Nosso cônjuge não deve preencher nossas expectativas dos contos de fadas da infância. Ele tem que ser real, sem máscaras e com defeitos também. Faz parte. É muito fácil se apaixonar pelas qualidades, isso nós fazemos no início do relacionamento. Mas as diferenças nos trazem uma maneira diferente de enfrentar os obstáculos e dar continuidade neste amor.

Nos apaixonamos rapidamente e o encantamento parece não ter fim. Com o tempo percebemos que o outro não é mais o foco principal de nossos pensamentos, mas isso não significa que o amor acabou, pelo contrário, a segurança pode ser um primeiro sinal de que pode sim dar certo. E daí que ele(a) deixou de mandar as dezenas de mensagens durante o dia? A certeza de um coração batendo por dois pode ser o melhor ansiolítico.

Não confunda crise conjugal com desrespeito. O relacionamento é cíclico, com altos e baixos e a cada ciclo, uma nova renovação e, quem sabe, uma nova paixão pela mesma pessoa?!?!?!

Seja aquele parceiro(a) que você gostaria de se relacionar. Pense nisso.

Uma excelente noite a todos,

Mariza Matheus

Imagem: Public Domain Pictures – Riaan Badenhorst

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>