O Apego

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Sunset On The Beach

Estamos sempre apegados a algo. Pode ser à nossa carreira, relacionamento, ao carro, à aquele vestido MARAVILHOSO que saiu com descontão, ao intervalo do almoço, etc. Sempre há algo que gostaríamos ter “pra sempre”. Buscamos desfrutar daquilo que nos interessa de forma “eterna” e quando “acaba”… vem um sofrimento. Às vezes temos amizades que vem e vão, assim, sem uma justificativa aparente (o que dificulta mais ainda a lidar com o desapego dessa amizade). Tem relacionamentos que parecem durar até que possamos aprender algo. Tem vezes que estamos apegados à nossa condição financeira e quando vem uma crise, um sofrimento intenso a acompanha. Sempre há algo que nos apegamos, seja lá que algo ou situação for, mas sofremos (muitas vezes além da conta) quando aquilo que nos apegamos se vai.

Lidar com o desapego não significa deixar de valorizar aquilo que temos. Apenas não deixar que o objeto, pessoa ou situação seja visto como eterno, pois nada é eterno. A impermanência é uma realidade. Como eu gostaria que meus avós fossem eternos. Há tantas coisas que gostaria de contar para eles, mas eles se foram e só restou a saudade. Na época de minha avó (2009) eu cheguei a me sentir “amputada” com sua partida. Como se minha vida não tivesse mais sentido. Mas essa dor foi dando espaço para a saudade e hoje sei que sua partida foi no momento certo. Quatro anos depois foi a vez de meu avô. Neste caso, eu já havia aprendido a lidar melhor com o “apego/desapego” daqueles que amamos e reagi de outra forma. Fiquei muito triste, mas não sem rumo. Fiquei com uma saudade imensa, mas dei espaço à gratidão por ele ter feito parte de minha vida. Tive apego também em amizades, e quando mudava de cidade, vinha a dor da distância. Tive apego ao meu corpo de 20 anos e, aos 40, ele não mais existe. Tudo bem. Agora é o momento do corpo dos 40, o de 20 teve seu momento. Passou. Tive apego a tantas coisas e hoje, ao olhar para trás, não sinto que perdi e sim que o momento se foi e outros virão.

Não se apegue tanto a algo ou situação. Aproveite o momento e entenda que tudo tem um porquê. Talvez hoje você não tenha a resposta, mas pode ter certeza que saberá lidar com cada perda, na sua velocidade, no seu tempo. Lembre-se… tudo passa, mas outros momentos virão. Pessoas se vão por ser o momento delas (ciclo da vida), amizades mudam porque nossos caminhos também mudam. Objetos quebram, são roubados ou perdidos, porque já cumpriram sua finalidade.

Uma excelente manhã a todos (sem apegos exagerados)…

Mariza Matheus

Imagem: Bobby Mikul (Public Domain Pictures)

2 thoughts on “O Apego”

  1. Cíntia Milanese

    Oi, Mariza, que belo texto (como sempre).
    Sempre venho aqui, mas devido a correria e, por muitas vezes estar no celular, nunca comento nada, mas esse blog é um presente! Esse texto falou comigo de uma maneira que você nunca vai supor… eu tinha que te dizer: Muito obrigada! 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>