Crenças que construímos ao longo da vida

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

crençasQuando você lê a palavra crença o que vem em sua mente? Algo religioso? E se eu te falar que construímos crenças o tempo todo, independente de religião? Desde pequenos aprendemos padrões de modelos diferentes. O nosso primeiro modelo, supostamente, vem de nossos pais. Nessa fase construímos, na verdade, a maioria de nossas crenças que carregamos na vida adulta. Isso, ao meu ver, é libertador no sentido que se encontramos crenças limitantes, mesmo que sejam da infância, podemos trabalhar nelas agora e conseguir novos resultados. Fingir que elas não existem ou limitar-se no conformismo do passado não te levará a lugar nenhum. Minto, pode te levar onde você está agora, ou seja, manter-se no mesmo lugar, obtendo os mesmos resultados. Está tudo bem em sua vida agora ou você gostaria que algo fosse diferente? Está satisfeito(a) com a carreira, com os relacionamentos e com você mesmo(a)? Se a resposta foi SIM então suas estratégias e crenças estão ao seu favor, continue assim! Mas, se a resposta foi NÃO, então seria interessante trabalhar suas crenças, o que você acha?

Primeiro, antes de mais nada, saiba que o mundo que vivemos tem diferentes interpretações. Cada indivíduo enxerga o mundo à sua maneira, baseado em suas percepções, crenças e conceitos. Nossas experiências são como nossas digitais, únicas! Nem sempre o que é bom para mim será para você e vice e versa. Eu carrego uma história singular, totalmente diferente da sua, portando, minha interpretação do mundo será só minha, concorda? Na PNL (Programação Neurolinguística) denominamos isso de mapa. Cada um tem seu mapa. O território é o mundo à nossa volta, mas a interpretação de mapa é individual. Se seu mapa carrega muitas crenças limitantes que boicotam suas escolhas, seria muito produtivo você encontrar tais crenças e criar novo mapa. Abaixo citarei algumas crenças limitantes que escuto de meus pacientes:

  • Eu não consigo…
  • Sou feia e todo mundo me acha feia…
  • Sou muito velha para…
  • Não levo jeito para…
  • Não vai dar certo…
  • Sempre quebro a cara…
  • Só tem gente falsa nesse mundo…
  • Nunca vou conseguir…

Eu posso escrever inúmeras crenças aqui, mas aí a postagem será extensa e você irá se cansar. Perceba que essa minha última frase tem uma crença minha, pois quem me garante que você vai se cansar ou não? Essa foi minha interpretação baseada em minhas experiências de que um texto longo cansa. Não significa que eu esteja certa, mas se começo a escrever achando que vou desagradar, posso impedir meu processo criativo ou ficar com medo de publicar o texto por causa das eventuais críticas.

Quando focamos no primeiro exemplo (acima) que coloquei, baseado em que circunstância você acredita que não vai conseguir? Provavelmente baseado em suas experiências. Mas o fato de não ter conseguimos algumas vezes o que te faz pensar que não pode conseguir uma vez? Se eu já acredito que não vou conseguir, como você acha que irei lutar por algo? Já com desânimo, certo? E se eu não conseguir mais uma o que me impede de conseguir da próxima vez? O que me faz ter tanta certeza de que não vou conseguir? Eu mesma, provavelmente.

No segundo exemplo eu escuto de muitas mulheres (principalmente) e tenho dificuldade em quebrar essa crença. Baseado a quem você acredita ser feia? Se seu padrão for rígido e você considerar que para ser bonita tem que ter a cara da Gisele Bündchen, então fica fácil ser feio no seu conceito, concorda? Mas e se você pensar que beleza, além do físico, também agrega com a personalidade, com humor, autonomia, carisma e que cada pessoa tem um padrão diferente de beleza? Às vezes eu posso ser bonita para um grupo de pessoas e para outro grupo não, tudo bem. Se eu acreditar que beleza tem outros atributos e achar que no físico não está o meu ponto forte eu posso trabalhar nos outros, concorda? Agora, se eu tiver um crença rígida e com poucos conceitos, eu posso facilmente me decepcionar. No exemplo seguinte: “Sou muito velha para…”  Velha para o quê? Em relação a quem? Comparado com que situação? Percebe quantas perguntas podemos fazer para quebrar nossas crenças?

Sugiro que você tende descobrir suas crenças limitantes e tente quebrá-las. Caso precise de uma orientação profissional o mercado hoje oferece muito suporte e oportunidades. Você pode fazer um curso, assistir palestras, ler sobre o assunto (aqui!!!), participar de grupos terapêuticos,  procurar um terapeuta, médico psiquiatra, coach, etc.  Só não espere um resultado diferente se você tem sempre a mesma atitude. Mude! Cuide-se!

Em breve debaterei mais sobre esse assunto. Caso queria deixar alguma sugestão ou pergunta, fique à vontade em comentar logo abaixo.

Abraço a todos…

Mariza Matheus

Imagem: Public Domain Pictures

autoajuda

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>