Como mudar um padrão negativo de pensamento para positivo (parte I)

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar
Rose

Public Domain Picture (Petr Kratochvil)

Como eu já citei em postagens anteriores, vou colocar algumas sugestões para te ajudar a mudar um padrão de pensamento que está lhe causando resultados negativos para outro, com resultados satisfatórios (positivos). A Psicologia Positiva trabalha na sanidade mental do indivíduo e não no negativo (doença). Assim, neste postagem, vou falar um pouco sobre um padrão que muitos de nós temos de chegar ao final do dia com uma lista de reclamações ou decepções. 

No decorrer do dia, passamos por DIVERSAS situações, algumas ruins, algumas boas e outras imperceptíveis (neutras). Mas, alimentamos um padrão destrutivo de ressaltar aquilo que nos incomoda, o que deu errado ou o que não aconteceu. Percebeu que todos são padrões negativos de pensamento? Quando focamos no que nos desagrada, mudamos nosso humor e, consequentemente, nossas relações podem se afetar. Se você chega em sua casa mal humorada e “despeja”  todas as reclamações ou negatividades de seu dia para o seu marido e filhos, como você acha que eles vão te ver? Talvez já ficam estressados mesmo antes de você chegar em casa.

Assim, vamos ver agora por outro ângulo. Em 2003, uma pesquisadora, Barbara Fredrickison, da Universidade da Carolina do Norte (EUA), acompanhou um grupo de pessoas e disse que eles teriam apenas um minuto para decorarem um discurso e que, em seguida, teriam que falar em frente as câmaras. Sem exceção, todos ficaram ansiosos e tiveram reações físicas importantes, como palpitação, sudorese em mãos e aumento da pressão arterial. Barbara percebeu que essa reação ao estresse durou por muito tempo, mesmo quando o teste já havia terminado. Depois solicitou que eles se dividissem em 3 grupos. O primeiro grupo foi assistir a uma comédia, o segundo a um filme considerado neutro e o terceiro grupo, um filme triste. Os pesquisadores notaram que aqueles que assistiram uma comédia logo não sentiam mais os efeitos de estresse que tiveram na atividade anterior. O segundo grupo demorou um pouco mais para deixar de sentir aqueles sintomas e o terceiro grupo, do filme triste, foi o que mais demorou a recuperar suas funções físicas. Ou seja, uma ação positiva (seja assistir um filme engraçado, conversar animadamente com os amigos, fazer um hobby, etc) pode amenizar e MUITO as reações negativas de uma situação de estresse ou trauma. 

Assim temos uma fórmula:

Estresse => sintomas físicos negativos => mal estar, medo, preocupação

Estresse + sintomas físicos = X

X + alguma atividade relaxante/alegre = recuperação física  e emocional

Assim, caso você enfrente uma situação desagradável que lhe traga sintomas físicos importante, a melhor maneira de se sentir melhor é quebrar essa situação com algo exatamente oposto ao estresse/tristeza, como alguma atividade alegre, que lhe dê prazer.

Mas voltando na questão do início do texto sobre mudar o foco do pensamento no final do dia, repare que pensamentos negativos são geradores de estresse e podem sim afetar seu corpo e até imunidade. Vamos então, quebrar esse padrão com o oposto, a gratidão.

Agora vou sugerir o que minha colega psiquiatra Sofia Bauer falou em seu vídeo no YouTube. No final de cada dia anote, em um caderninho ou em seu tablet, 5 coisas que você foi grata pelo seu dia. Esse exercício vai combater os efeitos nocivos dos pensamentos negativos. No começo será difícil ou até sem graça, pois você se acostumou a pensar naquilo que incomoda. Agora com essa mudança de foco você notará que passará ser um hábito chegar no final do dia agradecendo, ou seja, você irá para cama com energia boa. Quem dorme feliz, dorme melhor! Experimente!


Hoje, 7 de agosto, eu agradeço por…

  1. Minha viagem de avião ter sido tranquila,
  2. Por meu marido ter chegado bem em casa
  3. Pelo picolé de limão
  4. Pelo trânsito ter sido ameno aqui em SP.
  5. Pelo filme que vou assistir ao lado do maridão.

E você, quais são as 5 coisas que você é grata pelo seu dia de hoje?

Excelente noite a todos…

Mariza

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>